Ary Fernandes - Diretor - Cineasta - Parte 1


 

 

Ary Fernandes é um reconhecido cineasta brasileiro e um dos pioneiros no Brasil na produção de um seriado totalmente nacional, produzidas nos mesmos moldes das grandes séries norte-americanas, que se chamou “O Vigilante Rodoviário”, que foi um marco na história da televisão e cinema brasileiro.

 

Foto de família enviada gentilmente pela Vania, filha do Sr. Ary Fernandes, onde aparecem no

canto direito Ary quando criança com seus cachorrinhos e na foto ao lado sua irmã.

© Procitel - Ary Fernandes - Foto

 

Ary Fernandes nasceu no dia 31 de março de 1931, no tradicional bairro do Santana, na Capital de São Paulo. Seus pais eram imigrantes espanhóis e portugueses. Começou a sua carreira artística na Rádio América de São Paulo, em 1949, onde foi ator, locutor e até humorista. Pouco tempo depois com a chegada da televisão do Brasil, foi trabalhar na extinta TV Paulista, canal 5, onde atuou como ator nos teleteatros da época.

 

 

Nessa época passou a se interessar por toda a parte técnica da emissora, o que acabou abrindo caminho para trabalhar como assistente de produção para o filme “O Canto do Mar”, dirigido por Alberto Cavalcante, em 1952. Um ano mais tarde participou como assistente de direção em outro filme de Alberto Cavalcante chamada “Mulher de Verdade” pela Kino Filmes.

 

 

Depois vieram outros filmes como “Mãos Sangrentas” (1954), “Leonora dos Sete Mares” (1954) e em “Pensão de Dona Estela”(1954) onde atuou como gerente de produção. Um ano mais tarde trabalhou novamente como gerente de produção no filme “Carnaval em lá Maior” e depois como diretor de produção no filme alemão “Die Windrose” (1955) para a Delta Filmes de Berlim e também em dois filmes nacionais “O Grande Desconhecido” (1955) e “Quem matou Anabela” (1955) e em anos seguintes, em outros filmes.

 

 

Na década de 60 passou a trabalhar na Companhia Cinematográfica Maristela e ao mesmo tempo passou a dirigir comerciais para a televisão. No início dos anos 60, conseguiu o patrocínio da Nestlé e começou a filmar a série de televisão “O Vigilante Rodoviário”, que ficou pronto e começou a ser apresentado a partir de março de 1961, pela extinta TV Tupi, canal 4, de São Paulo, toda a quarta-feira, no horário das 20 horas, logo após o noticiário “Repórter Esso”.

 

 

A série “O Vigilante Rodoviário” teve um total de 38 episódios, todos dirigidos por Ary Fernandes. Pouco antes do encerramento da apresentação da série na televisão, Ary Fernandes e o produtor Alfredo Palácios, cientes que naquela época poucas casas tinham o aparelho de televisão e visando obter uma quantidade maior de público, remontaram a série da televisão em dois filmes contendo quatro episódios para ser apresentado nos cinemas: “O Vigilante contra o Crime”, “Os Cinco Valentes”, “O Vigilante em Missão Secreta” e “O Mistério de Taurus 38”, em 1963.

 

 

A série “O Vigilante Rodoviário” parou de ser produzida, porque a Nestlé não quis mais prosseguir vinculado ao filme e com isso não puderam mais comprar os negativos da Kodak para as filmagens, já que as séries daquela época eram produzidas em 35mm e depois copiadas, montadas, dubladas e finalmente reproduzidas em 16mm para a televisão.

 

Foto - Carlos Miranda - Ary Fernandes

 

Nesta época também, o então Presidente do Brasil, Jânio Quadros, resolveu baixar um decreto taxando os produtos importados em cerca de 400%, o que acabou inviabilizando de vez a continuidade a produção da série. Mais tarde a série voltou a ser reprisada novamente pela Rede Globo.

 

 

Todos direitos da marca "VIGILANTE RODOVIÁRIO" e "ÁGUIAS DE FOGO" estão registrados no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial)), em nome da PROCITEL - Produções Cine Televisão Ltda.

procitel@uol.com.br

 

 

Partes:  01   |   02   |   Artigos