Outros -Franco Zeffirelli - Cineasta Italiano


 

 

O conhecido diretor italiano Franco Zeffirelli nasceu como Gian Franco Zeffirelli Corsi no dia 12 de fevereiro de 1923, na cidade de Florença, Toscana, na Itália, filho ilegítimo de um comerciante de tecidos, Ottorino Corsi e sua amante, Adelaide Garosi, uma costureira. Quando ele tinha seis anos de idade sua mãe morreu e então passou a ser criado por um grupo de atrizes inglesas conhecidas como “Os Escorpiões”, e através delas passou a ter contato com a literatura, teatro e as obras de Shakespeare.

 

 

 Em 1941, formou-se pela Accademia di Belle Arti Firenze, e depois seguindo o conselho de seu pai, entrou para a Universidade de Florença para estudar arte e arquitetura. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, Zeffirelli teve de deixar a faculdade, mas retornou após o fim da guerra para completar seus estudos na Universidade. Por essa mesma época, empolgado ao assistir a peça “Henry V”  suas atenções se voltaram para o teatro.

 

 

Na década de 50, passou a dirigir produções ópera na Itália, Europa e Estados Unidos, quando conheceu Luchino Visconti, com quem passou a trabalhar. Também se tornou amiga da cantora lírica Maria Callas e trabalharam juntos na peça “La Traviata” em Dallas em 1959. Com Luchino Visconti, chegou a trabalhar como diretor-assistente para o filme “La Terra trema”, e durante esse tempo de convivência com Visconti aprendeu o modo de trabalhar e a admirá-lo.

 

 

Também trabalhou ao lado de outros diretores como Vittorio De Sica e Roberto Rossellini e seu nome começou a se tornar mais conhecido na década de 60, quando passou a dirigir suas próprias pecas teatrais em Londres e em Nova Iorque, mas não demorou muito para se aproximar do cinema.

 

 

Em 1967, Zeffirelli dirigiu o seu primeiro filme “La Bisbetica domata”, conhecida no Brasil como A Megera Domada, baseado na peça de mesmo nome de William Shakespeare, estrelado por Elizabeth Taylor como Kate Shakespeare e Richard Burton como Petruchio, entre outros. O filme teve uma boa recepção e duas indicações ao Oscar, um para Melhor Figurino e outra para Melhor Direção de Arte.

 

 

Um ano mais, em 1968, consagrou-se ao dirigir e co-roteirizar o filme “Romeo & Juliet”, uma co-produção entre o Reino Unido e a Itália, baseada na obra de mesmo nome de William Shakespeare, estrelados por Leonardo Whiting e Olívia Hussey. Com este filme Franco Zeffirelli passou a ser um nome conhecido internacionalmente e o filme se tornou imensamente popular, e nenhum outro trabalho seu alcançou tamanho destaque.

 

 

Nos trabalhos seguintes, Zeffirelli deixou os temas bem-sucedidas de Shakespeare e passou a falar sobre temas religiosos e assim em 1972, surgiu o filme “Freatello Sole, Sorella Luna”, também conhecido no Brasil como Irmão Sol, Irmã Lua contando a história da vida de São Francisco de Assis, estrelado por Graham Faulkner e Judi Bowker, que chegou a ser indicado para um Oscar na categoria de Melhor Direção de Arte.

 

 

Alguns anos mais tarde, em 1977, Franco Zeffirelli dirigiu uma minissérie para a televisão italiana Jesus de Nazaré, que ele escreveu juntamente com Anthony Burgess, Suso Cecchi d´Amico, que dramatizava o nascimento, vida, ministério, crucificação e ressurreição de Jesus Cristo, filmado na Tunísia, Marrocos e México, produzido por Lew Grade e Labella Vincenzo e orçado entre 12 a 18 milhões de dólares. O filme foi interpretado por Robert Powell como Jesus, Anne Bancroft como Maria Madalena e Ernest Borgnini como um centurião romano, entre outros. A minissérie tornou um grande sucesso e frequentemente apresentado até os dias atuais.

 

 

Dois anos mais tarde, Zeffirelli deixou os temas religiosos e partiu para temas contemporâneos e assim nasceu em 1979, o filme “The Champ”, conhecido no Brasil como O Campeão, que falava sobre um ex-campeão de boxe, agora um treinador de cavalos que tenta conseguir apenas dinheiro suficiente para criar e ter a custódia de seu filho, depois que sua esposa o deixou a sete anos atrás. O filme teve nos papéis principais John Voight, Faye Dunaway e Rick Schroder. Com este filme o ator Rick Schroder, que na época tinha apenas nove anos de idade ganhou o Golden Globe Award.

 

 

Na década de 80, Zeffirelli fez uma série de filmes de óperas adaptadas para o cinema e depois retornou as obras de Shakespeare com o filme “Hamlet”, estrelado por Mel Gibson como o jovem príncipe Hamlet e lançado em dezembro de 1990, recebendo duas indicações ao Academy Awards, como Melhor Direção de Arte e Melhor Figurino. Mais recentemente em 1996, Zeffirelli dirigiu "Jane Eyre", uma adaptação cinematográfica da obra de mesmo nome de Charlotte Bronté de 1847, estrelado por Charlotte Gainsbourg como Jane Eyre e Anna Paquin como a jovem Jane Eyre, entre outros, que recebeu elogios da crítica especializada.

 

 

Três anos depois, em 1999, dirigiu o “Tea with Mussolini”, também conhecido no Brasil como Chá com Mussolini, uma co-produção entre o Reino Unido e Itália, cuja história do filme é uma semi-biografia de Zeffirelli, onde ele conta suas lembranças vividas no período compreendido entre 1935 a 1944, mostrando as turbulências políticas em Florença durante os anos do fascismo e da Segunda Guerra Mundial. O filme foi indicado ao BAFTA em 2000, na categoria de Melhor Figurino e ganhou na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante para Maggie Smith.

 

 

Seu último filme para o cinema data de 2002, com “Callas Forever” em que conta parte da história da cantora lírica Maria Callas, que foi interpretada pela atriz Fanny Ardant e Jeremy Irons como Larry Kelly. O filme recebeu uma indicação ao Prêmio Goya, na categoria de Melhor Figurino. Entre 2003 a 2006, Zeffirelli atuou com em alguns estágios na direção e produção de óperas para telefilmes como “La Bohème” (2003), “Carmen” (2003) e “Aida” em 2006.

 

 

Franco Zeffirelli sempre um gay abertamente assumido e por isso recebeu diversas críticas de grupos religiosos, e até pelos membros da comunidade gay quando publicamente apoiou a Igreja Católica Romana em relação as questões homossexuais. Em 1994 foi eleito senador na Itália pelo partido de centro-direito Força Itália e permaneceu no cargo até 2001. Também em 1996, foi agraciado por um doutoramento honoris causa pela Universidade de Kent, e poucos anos depois, em 1999, o prêmio Crystal Globe por sua contribuição ao cinema mundial, e em 2004, foi nomeado cavaleiro honorário do Reino Unido.

 

 

Filmografia Parcial

 

Callas Forever – 2002

Tea with Mussolini – 1999

Jane Eyre – 1996

Storia di una capinera – 1993

Hamlet – 1990

Otello – 1986

Tosca – 1985

Pagliacci – 1982

Cavalleria Rusticana – 1982

Endless Love – 1981

The Champ – 1979

Jesus of Nazareth – 1977

Brother Sun, Sister Moon – 1972

Romeo and Juliet – 1968

The Taming of the Shrew – 1967

 

Vídeo

Principais Fontes Bibliográficas

 

http://en.wikipedia.org/wiki/Franco_Zeffirelli

http://www.imdb.com/name/nm0001874/

http://educacao.uol.com.br/biografias/ult1789u534.jthm

 

Retornar/Artigos