Jaguar - Cartunista Brasileiro


 

 

Jaguar é o pseudônimo de um cartunista brasileiro que teve um destaque muito importante nos últimos cinqüenta anos de nossa história. Foi um dos fundadores do famoso jornal "O Pasquim" em 1969 e criador do ratinho Sigmund ou Sig para os íntimos, o seu alter-ego, que ora tem um temperamento irônico, noutro valentão, sonhador, bem-comportado e que muda de fisionomia como muda de humor.

 

 

Sérgio de Magalhães Gomes Jaguaribe nasceu no dia 29 de fevereiro de 1932, no Rio de Janeiro e iniciou sua carreira de cartunista aos 20 anos de idade, em 1952, na revista Manchete e onde por influência de Borjalo passou a assinar somente Jaguar. Até então era um funcionário do Banco do Brasil e subordinado ao grande compositor Sérgio Porto, que o convenceu a não deixar o emprego em favor do humorismo, mas parece que não adiantou.

 

 

Jaguar tem o seu traço estilístico com grande influência dos trabalhos de Saul Steinberg, um cartunista norte-americano e também do gravador francês André François do início do século XX. Esse estilo bem livre e solto faz com que se aproxime rapidamente de outros cartunistas da época.

 

 

Já no início dos anos sessenta vai trabalhar para a revista “Senhor” e torna-se rapidamente um cartunista de destaque. Passa a contribuir com seus desenhos também para a "Revista Semana" e "Revista Civilização Brasileira" em seu semanário de humor "Pif-Paf", bem como para os jornais cariocas como "Tribuna da Imprensa" e a "Última Hora". Em 1968 consegue lançar a sua primeira antologia denominada "Átila, você é um bárbaro".

 

Foto - Sérgio Cabral

 

Quando a ditadura se instala no Brasil na década de 60/70, Jaguar funda com outros amigos, como Tarso de Castro e Sérgio Cabral, o jornal "O Pasquim" em 1969, onde lança o personagem de um ratinho chamado Sigmund ou Sig que vai acompanhar toda os exemplares de todas as edições de "O Pasquim" como um mestre de cerimônias, geralmente aparecendo na capa ou na abertura das matérias.

 

 

"O Pasquim", cujo nome significa "jornal ruim e controverso" faz os brasileiros ficarem conhecendo bem de perto outros cartunistas como Henfil, Millor Fernandes, Ziraldo, entre outros, assim como é um dos poucos meios de comunicação que enfrenta de forma escachada e escandalosa os anos de chumbo dos generais.

 

 

As charges de Jaguar enlouquecem o regime militar e por conta disso vê suas noites ficarem quadradas no xadrez. Nesse meio tempo, o jornal passa a ser editado por Millôr Fernandes e Henfil que são os únicos que conseguem escapar da cadeia, ajudados por outros amigos artistas.

 

 

Com o encerramento do "Pasquim", por volta de 1991, Jaguar vai trabalhar como editor no jornal "A Notícia" e em 1999, juntamente com outros remanescentes de "O Pasquim" criam a revista de humor "Bundas", claro que tirando um sarro da revista "Caras".

 

 

Mais tarde em 2001 escreve o livro "Confesso que Bebi" onde ele narra várias histórias vividas com seus amigos como Paulo Francis, Sérgio Cabral, Tom Jobim, entre outros, e que também serve como guia gastronômico a diversos bares e restaurantes do Rio de Janeiro. Atualmente (2008) Jaguar escreve uma coluna no jornal "O Dia" e charges para a coluna de Ivan Lessa para o "Jornal do Brasil".

 

 

Em 2006, Jaguar foi a Câmara protocolar a devolução da medalha “Pedro Ernesto” concedida a ele há oito anos atrás, pelo então vereador Chico Alencar, ao ficar sabendo que a medalha também havia sido destinada para o Roberto Jefferson, o deputado do PTB, que admitiu ter recebido quatro milhões de reais e delatou o esquema do “mensalão”. A devolução acabou causando um tremendo de um mal estar na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro.

 

 

Em 5 de abril de 2008, Jaguar e outros vinte jornalistas que foram duramente perseguidos durante o regime militar nos anos 60 e 70 ganharam a causa perante a “Comissão de Anistia do Ministério da Justiça”. Jaguar e Ziraldo desembolsaram cerca de um milhão de reais cada um. Millôr Fernandes foi um dos poucos que não entraram com uma ação e criticou duramente seus amigos dizendo se a luta pela liberdade era um ideal ou apenas um investimento.

 

Vídeo

 

Principais Fontes Bibliográficas

 

 http://www2.uol.com.br/JC/_2001/1208/cc1208_2.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jaguar_(cartunista)

http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm

http://www.universohq.com/quadrinhos/news_indice.cfm

 

Retornar/Artigos