tvsinopse.

kinghost.net

 







 


Nara Leão - Cantora


 

 

A primeira vez que eu vi a cantora Nara Leão foi no II Festival de Música Popular da TV Record nos anos 60, quando ela apareceu ao lado de um jovem compositor chamado Chico Buarque de Holanda, defendendo a música "A Banda". Eu era inda um garoto do antigo ginásio e confesso que ao vê-la fiquei bastante intrigado com aquela voz bem baixa, tímida, justamente numa época de grandes vozeirões, mas depois da primeira impressão logo comecei a ficar admirada pela cantora, apesar de muitos amigos a criticarem bastante.

 

 

Sempre acreditei que ela havia iniciado sua carreira na época do Festival, mas a história de Nara começa bem antes, em Espírito Santo, quando o senhor Jairo Leão e a senhora Altina Lofego Leão, tiveram a sua primeira filha Danuza Lofego Leão, na cidade de Itaguaçu, Espirito Santo, no dia 26 de junho de 1933, que se tornou numa famosa modelo, jornalista e escritora brasileira. Nove anos mais tarde, em 19 de janeiro de 1942, nasce a segunda filha Nara Lofego Leão, em Vitória, Espirito Santo.

 

 

Um ano depois do nascimento de Nara, a família mudou-se para o Rio de Janeiro e por volta de seus 12 anos ganhou um violão de seu pai e começou a tomar aulas com o músico Patrício Teixeira e Solon Ayala, e também estudava na mesma escola de Roberto Menescal, com quem iria continuar seus estudos de violão, juntamente com outro professor Carlos Lyra. Aos poucos Nara foi se enturmando com outros jovens músicos que passaram a também fazer reuniões em sua casa. Por esse tempo contraiu hepatite e passou a ficar ausente da escola e logo depois abandonou definitivamente o colégio.

 

 

Passou a trabalhar como secretária na redação do jornal Última Hora e em 1959, começou a acompanhar seus amigos músicos envolvidos com a Bossa Nova e com o incentivo dos amigos estreou como cantora num show realizado na Escola Naval do Rio de Janeiro, onde ela cantou duas músicas e também por essa mesma época iniciou o seu namoro com o compositor Ronaldo Bôscoli. No começo dos anos 60, Nara e o grupo desses jovens compositores começam a fazer diversas reuniões na casa de amigos, assim como pequenas apresentações, que começaram a gerar alguns noticiários sobre esse movimento da Bossa Nova.

 

 

Nara rompe com Bôscoli e logo começa a namorar o cineasta Ruy Guerra, e pouco tempo depois acaba se casando. Nara e Ruy não tiveram filhos e o casamento não durou muito. Em março de 1963, Nara Leão se apresenta oficialmente pela primeira vez como uma cantora profissional no show "Pobre Menina Rica" na boate Au Bom gourmet, em Copacabana, ao lado de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra, e depois inicia uma série de espetáculos e também grava o seu primeiro disco pela recém-fundada gravadora Elenco, mas logo depois assina um contrato com a gravadora Philips.

 

 

Também realiza shows em diversas cidades brasileiras, ocasião em que faz amizade com os baianos Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia. Por essa época recebe o título de "musa da Bossa Nova" pelo cronista Sérgio Porto, e também grava o seu segundo disco, que inspira Oduvaldo Vianna Filho a escrever a peça musical "Opinião", juntamente com Paulo Pontes e Armanda Costa, sob a direção de Augusto Boal, protagonizados por Nara, Zé Ketti e João do Vale. Ainda por essa época ela anuncia sua ruptura com a Bossa Nova, criando uma polêmica com suas declarações.

 

 

Em janeiro de 1965, afasta-se do espetáculo por problemas na garganta e em março começa a gravação de seu novo disco "O Canto Livre", e posteriormente mais outros discos. Em setembro e outubro de 1966, participa do II Festival de Música Popular Brasileira, realizada pela TV Record, onde interpreta a canção vencedora ao lado do compositor, a música "A Banda" de Chico Buarque de Holanda, quando realmente começa a ficar conhecida pelo grande público.

 

 

Em 26 de julho de 1967 casa com o cineasta Cacá Diegues e em 1968, Nara adere ao movimento tropicalista, assim como começa a participar junto com seu marido das manifestações públicas contra o regime militar. Em 1969, o casal Nara e Cacá deixa o Brasil e se exilam na Europa e ela se afasta momentaneamente da carreira artística, mas continua a fazer apresentações e a gravações esporádicas, e passa a dedicar-se na função materna de sua filha Isabel, que nasce em 28 de setembro de 1970, em Paris.

 

 

Um ano depois eles retornam ao Brasil, onde tem o seu segundo filho chamado Francisco, que nasce em 17 de janeiro de 1972. Apesar de mãe de dois filhos continua a sua participação dentro do cenário musical brasileiro, fazendo show e gravações, e em 1974, Nara resolve voltar a estudar e consegue ser aprovada no vestibular de Psicologia na PUC do Rio de Janeiro. Em 1977, retorna mais ativamente a carreira artística e nesse mesmo ano Nara e Cacá acaba se separando e no ano seguinte faz uma bem sucedida turnê pelo país e grava o "E que tudo mais vá para o Inferno", com canções de Roberto e Erasmo Carlos.

 

 

Em 1979, Nara descobre que tem um grave problema de saúde, passando mal em diversas ocasiões, afasta-se um pouco de suas atividades artísticas e retorna em 1982, num show no hotel Rio Palace, também participa do festival MPB Shell da Rede Globo, de manifestações para as eleições diretas para governador, e estreia seu show no Teatro da Lagoa, no Rio de Janeiro. Volta a ter uma agenda cheia de gravações, turnê e apresentações, que somente param em 1986, quando sua saúde se agrava, mas logo tem uma melhora e retorna as suas atividades até fins de 1988.

 

 

No ano seguinte realiza uma mini turnê pelo norte do Brasil, sendo este o seu último show. Depois Nara é internada na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, e falece na manhã de 7 de junho de 1989, vítima de um tumor cerebral inoperável, aos 47 anos de idade. Em 2002, seus LPs foram relançados e em 2007, a cantora Fernanda Takei prestou uma homenagem gravando um disco do repertório de Nara e a partir de janeiro de 2012, seu acervo fotográfico, músicas e documentos foram digitalizados e disponibilizadas para consulta, no site http://www.naraleao.com.br de onde foram retiradas grande parte das informações contidas nesta matéria.

 

Clique na música para escutar

 

A Banda.wav
A Estranha e o violeiro.wav
A Felicidade.wav
Água de beber.wav
Águas de março.wav
Além do horizonte.wav
A Rita.wav
A Saudade mata a gente.wav
Até quem sabe.wav
Atrás do trio elétrico.wav
Bloco do prazer.wav
Camisa amarela.wav
Chega de saudade.wav
Com açúcar e com afeto.wav
Como é grande o meu amor por você.wav
De onde vens.wav
Desafinado.wav
Diz que eu fui por ai.wav
Este seu olhar.wav
Garota de Ipanema.wav
João e Maria.wav
Manhã de carnaval.wav
Marcha da quarta feira de cinzas.wav
Minha namorada.wav
Moça bonita.wav
O Barquinho.wav
O Circo.wav
Odara.wav
O Galo cantou na serra.wav
Olê Olá.wav
O Negócio é amar.wav
Opinião.wav
Partido Alto.wav
Pedro pedreiro.wav
Pipira.wav
Pois é.wav
Por causa de você.wav
Pra você gostar de mim.wav
Quero que vá tudo pro inferno.wav
Retrato em branco e preto.wav
Samba de uma nota só.wav
Samba do avião.wav
Telefone.wav
Trocando em miudos.wav
Um sonho de verão.wav

 

Vídeo

Principais Fontes Bibliográficas

 

http://www.naraleao.com.br/

http://www.mpbnet.com.br/musicos/nara.leao/

http://revistaepoca.globo.com/cultura/noticia/2012/01/nara-leao-ganha-acervo-digital.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nara_Le%C3%A3o

 

Todos os arquivos sonoros desta página foram encontradas no site:

http://www.4shared.com/

As músicas foram transformadas em arquivos wav de baixa qualidade

para servir apenas como ilustração ao texto.

As mesmas continuam a pertencer aos seus legítimos proprietários.

Não estamos autorizados a promover downloads ou coisas semelhantes.

Solicitamos a gentileza de utilizá-los com bom senso.

Grato

 

Retornar/Artigos

 

 


 

 



 

tvsinopse.

kinghost.net