tvsinopse.

kinghost.net

 







 

tvsinopse@gmail.com

 

 


Bons Conselhos que nada valem


 

 

O homem é o único animal que adora dar conselhos, enquanto que os outros seres vivos procuram apenas dar bons exemplos aos seus. Uma mamãe ursa mostra aos seus filhotes como apanhar frutinhas para saboreá-las em época de pouca fartura de proteínas. Mostra que debaixo das árvores apodrecidas ao chão podem conter vermes que podem saciar um pouco a fome. O homem simplesmente abre a geladeira e dá aos seus, aquilo que lhe foi solicitado.

 

 

Logo em seguida já aconselha, “Somente uma, mas se ficares quietinha e boazinha pode ganhar outra”, ensinando-lhe desde a mais tenra idade o que é um ”conselho condicional” e assim ela vai educando os seus pequenos e também lhes ensinando o que significa “chantagem, mas depois se queixam quando passam a ser as vítimas das "chantagens" deles, naturalmente.

 

 

Mamãe ursa mostra aos filhos que ao defrontar com um inimigo mais feroz, a melhor estratégia é talvez fugir e esconder-se. Desta forma a mamãe ursa vai ensinando aos seus filhos todas as suas lições para que eles possam sobreviver e depois de certo tempo entrega os filhos à natureza para que eles possam seguir seu caminho, viverem suas vidas e destino.

 

 

O homem moderno ao contrário está mais do que nunca procurando os mestres e os psicanalistas para ensinar-lhes aquilo que eles não estão mais dispostos a fazer, ou então educando-os através de sábios conselhos de todas as espécies, cada qual baseada nas experiências, geralmente vividos pelos outros, que eles sabiamente decoram-nas com todo o cuidado, e por isso se consideram aptos a passar as boas novas pra os seus pequenos.

 

 

Sem esquecer também dos pais que dizem uma coisa aos seus filhos, mas suas ações são completamente diferentes daqueles que eles estão pregando, ou seja, se diz uma coisa, mas exemplifica-se com outra. A mamãe ursa quando o seu filho está teimando com determinada coisa que ela acha errada, deixa simplesmente que ele sofra com as consequencias de seu ato e assim aos poucos o pequeno vai compreendendo a olhar com outros olhos o exemplo dado pela sua mãe.

 

 

Caso isso não acontece, o filhote provavelmente terá um destino trágico, mas logicamente que com os seres humanos não precisamos chegar a tanto, pois temos soluções outras menos dramáticas e dolorosas, porém de qualquer forma precisamos fazer a criança compreender que a sua teimosia não está lhe trazendo bons resultados, e nessa hora ficar ralhando aos gritos e pontapés, também não resolverá nada, contudo algo terá que efetivamente ser feito.

 

 

No entanto, alguns outros ao invés de tomar uma atitude nesta hora preferem levar a vida dos seus através de conselho em conselho, cativando suas atenções, passando a mão sobre suas cabeças como se tudo deles fossem apenas brincadeiras, mas nunca fazendo-os entender que todo ato tem uma consequencia e que ele tem responsabilidade nisso. Infelizmente assim são muitos homens e mulheres ditas "modernas", querem eles gostem de ouvir isso ou não, aliás, pouco me importa.

 

 

Todos adoram dar conselhos e que atira a primeira pedra quem nunca os deu, pois dá-las é um ato bastante agradável, enche o nosso ego de vaidade, nos faz sentir superiores, além do que passa a ideia da experiência vivida e de como sabemos lidar como mestres os problemas que decorrem em nossas vidas melhor que os outros, e blá blá blá...

 

 

Entretanto, se por um lado dar conselhos é muito bom, o contrário não é lá muito agradável, pois ninguém gosta de escutá-los e nem eu diga-se de passagem, assim como acha desnecessário quando o conselho é dirigido a ele. Todo aquele conselho que os outros nos dão parece-nos superficiais, uma arrogância e uma “encheção de saco”. Experimente dar conselhos a quem está acostumado a dá-las, e logo verás o quanto serás amaldiçoado.

 

 

Conselhos, temos de todos os tipos, das formas mais variadas e até inusitadas, inclusive aquelas que vêm disfarçadamente dentro de belas frases o que os tornam ainda mais contundentes. Tem algumas que virou até piada, como aquela bem antiga e muito manjada, em que pai diz para filha: se o seu namorado tentar te agarrar, chute, grite, esperneie, enfim faça de tudo para que isso não acontecer, mas se tudo isso não resolver, relaxe e goze.

 

 

Tem também aquele conselho que o sujeito tem a cara de pau de dar aos outros, mas ele mesmo não segue de jeito nenhum, do tipo “se eu fosse você investiria todo seu dinheiro naquele tal empreendimento...”. Agora venhamos e convenhamos, das duas uma: ou o cara está te fazendo de cobaia ou então ele quer que você invista no tal empreendimento, porque se a coisa der errado ele também não irá sozinho pro buraco, ou seja, é sempre a mesma ladainha do “se eu fosse você...”.

 

 

Lá nos tempos de antigamente, o Conselho era uma sugestão dada por uma pessoa mais experiente ou até mesmo um especialista no sentido de precaver ou até mesmo um modo de advertir de algum possível dano, e sempre pautada em suas experiências de vida, como por exemplo, quando o médico nos aconselha a não automedicarmos.

 

 

O médico está dizendo isso no sentido de precavermos de algum dano posterior, sempre baseado nas suas experiências com seus pacientes e não simplesmente porque ele leu em algum lugar ou ouviu algum colega seu dizer e até mesmo uma simples dedução ao seu bem querer. Mas com o passar do tempo a coisa começou a extrapolar de tal forma, que todos passaram a dar conselhos de todos os tipos, principalmente os não solicitados.

 

 

Surgiram até as subcategorias como conselhos úteis, fraternais, inteligentes, bondosos e assim por diante, assim como ela também passou a ser muito relacionada a principalmentefaça o que falo, mas não faça o que eu faço”, e isso é facilmente de ser observado, pois aquele que geralmente nada tem a oferecer de bom aos outros, é sempre o detentor dos conselhos, bem como o último a segui-lo, isso quando não transforma o outro numa cobaia.

 

 

Nos últimos anos os levantamentos dos livros mais vendidos no mundo apontam que a maior parte deles são os de "autoajuda", que prolifera a passos largos, bem como o surgimento de novos conselheiros pra tudo que se possa imaginar, assim como discordantes entre si, ou seja, o que um fala o outro discorda, e isso nada em a ver com "quando um burro fala o outro abaixa a orelha", ou que não seja salutar discordar.

 

 

Mas, pensando melhor talvez isso não seja culpa deles, dos autores ou conselheiros de plantão, pois o problema talvez seja outro. A questão a se perguntar talvez seja, por que as pessoas estão procurando tanto esse tipo de leitura ou estão necessitando tanto dessa tal ajuda? Será devido a essa quantidade enorme de informações a qual estamos submetidos a todo momento? Será a falta de parâmetros pra determinarmos o justo do injusto, do necessário e desnecessário? Etc, etc, etc... ou simplesmente é mais fácil comprarmos pronto.

 

 

Pra mim me parece aceitável acreditar que onde existe alguém precisando de alguma coisa, sempre haverá outro para vender-lhe este produto, talvez uma simples regra de mercado. Os autores ou conselheiros de plantão, ao me ver estão apenas preenchendo essa fatia mercadológica que ninguém havia explorado antes, e isso me parece lógico, entretanto isso não os qualifica que seja uma coisa boa, e sim uma coisa a se pensar, a questionar.

 

 

Também não se podem confundir Conselho com Didática, pois Conselho trata-se de uma opinião ou parecer que tem como finalidade um aviso ou advertência, enquanto que didática está ligada ao conceito de ensino, ou seja, fazer algo que temos provas suficientes para estarmos aptos a repassar a outros. Para os gregos, a didática significava instruir, fazer aprender e também a arte ou a técnica de ensinar.

 

 

Em outras palavras podemos dizer que didática nada mais é do que a investigação da melhor maneira de repassar certo conhecimento ao alunado, de forma menos enfadonha e inútil para que o aluno encontre o seu verdadeiro desenvolvimento. Também o Conselho não pode ser confundido com o Conhecimento, que é um a relação que se estabelece em incorporar um conceito novo, ou original, sobre um fato ou fenômeno qualquer.

 

 

O Conhecimento não nasce simplesmente de uma especulação lógica ou jogo de palavras, mas sim através de experiências que se acumula na nossa vida cotidiana, dos relacionamentos interpessoais, das triagens das leituras de livros e artigos diversos. Então quando alguém está passando seus Conhecimentos a outras pessoas, não significa que ela esteja dando conselhos, mesmo que assim os pareça, bem como isso também nada tem a ver com "autoajuda' que atualmente tanto é explorada.

 

 

Agora que eu já disse tudo que estava entalado na minha garganta advinda dessa minha cabeça imunda e fétida, cabe somente a cada um questionar sobre aquilo que melhor lhe convier, e já que estamos mexendo na fedentina, que tal caro(a) amigo(a), parar de ler toda essa porcaria e escolher coisa melhor para passar o tempo, e essa com certeza é o melhor Conselho que posso dar a alguém neste exato momento.

 

Conselhos famosos:

 

Aceita o conselho dos outros, mas nunca desistas da tua própria opinião” – William Shakespeare

 

A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz” – Sigmund Freud

 

Não me agrada aconselhar, porque, em todos os casos trata-se de uma responsabilidade desnecessária” – Benjamin Disraeli

 

Nenhum homem conseguiu descobrir a forma de dar um conselho amigo a uma mulher, nem mesmo à ele próprio” – Honoré de Balzac

 

A única coisa a fazer com os bons conselhos é passá-los a outros; pois não tem utilidade para nós mesmos” – Oscar Wilde

 

Nunca dê conselhos. Os ignorantes não darão atenção a eles e os mais sábios não necessitam deles” – desconhecido

 

Dar bons conselhos – as pessoas gostam de dar o que mais necessitam considero isto a mais profunda generosidade” – desconhecido

 

Os livros nos dão conselhos que os amigos não se atreveriam a dar-nos” – Samuel Smiles

 

Conselho é aquilo que pedimos quando sabemos a solução, mas preferíamos não saber” – Erica Jong

 

Nada é mais perigoso que um bom conselho acompanhado de um mau exemplo” – Madame de Sable

 

Às vezes, quase sempre na hora errada, alguém dá um conselho não solicitado. Se valesse algo não o despejaria fora com tanta facilidade. Na autoajuda só eu me auxilio. Prefiro elogios a conselhos” – Roque Aloisio Weschenfelder

 

Aconselhar economia ao pobre é grotesco e insultante. É como aconselhar que coma menos quem está morrendo de fome” – Oscar Wilde

 

A filosofia é um bom conselho” – Sêneca

 

Não deixe que saudade sufoque,

que a rotina acomode,

que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você.

Gaste mais horas realizando que sonhando,

fazendo que planejando,

vivendo que esperando porque,

embora quem quase morre esteja vivo,

quem quase vive já morreu

- Luiz Fernando Veríssimo -

 

 

Texto - Pesquisa - Criação = Osamu Nakagawa

 


 

Retornar

 


2008 - tvsinopse.kinghost.net - Todos os direitos reservados


 

 



 

tvsinopse.

kinghost.net

 







 

tvsinopse@gmail.com