tvsinopse.

kinghost.net

 







 

tvsinopse@gmail.com

 

 


É Mentira, Terta?


 

 

Se você perguntar pra qualquer pessoa o que ela mais detesta em outras pessoas, muito provavelmente, dentre as muitas respostas, ouvirá que a mentira é uma delas, pois todos nós fomos criados com a ideia de que somente a verdade é que é o nosso bem maior, e que tudo se pavimenta sobre ela criando assim a nossa grande ”verdade”.

 

 

Entretanto, noutro dia, quando estava a pesquisar sobre a biografia de uma famosa celebridade fiquei a pensar se tudo aquilo que havia encontrado nos diversos arquivos pesquisados era mesmo verdade. Isso me deixou muito intrigado, pois me pareceu haver muito falatório para uma só pessoa, e então para tirar essa dúvida tive a ideia de escrever a minha própria biografia, sem muito pestanejar.

 

 

Assim comecei a digitar de qualquer jeito tudo aquilo que me vinha à cabeça a meu respeito e após quase duas páginas depois, resolvi ler o que eu havia escrito sobre mim mesmo e reparei que nada daquilo que lá estava era eu. Era apenas o que eu gostaria de ser, mas realmente não era eu. Assim sendo tentei novamente escrever outro texto sobre mim mesmo, de forma mais racional e tentando ser o menos sonhador possível.

 

 

Ao fim de todos esses testes cheguei à conclusão que nenhum dos textos escritos sobre mim mesmo batia com a realidade, mas mesmo assim era muito gratificante, pois de qualquer forma ela enchia o meu ego, era gostoso me ver assim. Peguei então um dos textos e comecei a tirar todas as vantagens que lá havia colocado e cada vez que eu ia aproximando mais da minha realidade, eu ia me sentindo cada vez mais mal comigo mesmo, e principalmente ao ir se aproximando a minha insignificância.

 

 

Num dado momento a coisa começou a ficar de tal maneira frustrante, decepcionante que caso eu não parasse provavelmente iria entrar numa depressão daquelas. Assim apaguei todos aqueles textos e passei por alguns dias a escrever uma porção de outros textos, onde não poupei elogios a mim mesmo, o que me fizeram sentir novamente com a vontade de viver, a sorrir, e gritei "esse sou eu", mesmo que naturalmente não sendo.

 

 

Por um determinado tempo esqueci-me daquele assunto, porém lá adiante a coisa voltou a martelar a minha cabeça quando eu estava a escrever sobre outra biografia de outra personalidade conhecida e cheguei à desconfiar novamente que todas as minhas pesquisas a respeito da tal celebridade estava a cheirar um grande lamaçal de fantasias, fraudes e mentiras.

 

 

Assim sendo fui retirando as opiniões, os exageros e somente ater-me apenas aos dados reais de sua carreira, de sua vida e ao final cheguei a uma coisa muito parecida a um currículo, muito semelhante a aquelas que nós enviamos para alguma empresa quando desejamos candidatar a alguma vaga.

 

 

As únicas coisas realmente verdadeiras que ao final acabaram sobrando foi o seu nome, as pessoas de sua família, seu grau de escolaridade, sua entrada naquela determinada profissão, quais foram as suas produções cinematográficas pelo tempo de atividade e a data quando ele morreu, o resto eram simplesmente fofocas ou enxertos, um disse-me-disse.

 

 

Entretanto, ao classificá-lo muito próximo a um currículo descobri também que todo o fascínio por aquela personalidade havia simplesmente desaparecido e foi somente neste instante que percebi o que talvez seja realmente uma biografia, que nada mais é do que um monte de fraudes e inverdades, uma manipulação com a finalidade de acrescentar algo bem mais fabuloso e fascinante sobre aquela determinada personalidade, pois sem esse subterfúgio nada mais me parecia fantástico, deixava de ser uma celebridade.

 

 

Logo, comecei a concluir que é provavelmente desta forma que também vamos elaborando e criando os nossos ídolos, os nossos mitos, as nossas celebridades e os nossos deuses, que por outro lado nos fazem um bem enorme. É bem provável que nós seres humanos necessitamos dessa fantasia, ter nossos ídolos, nossas crenças, e nem tudo pode ser assim tão racional, senão a vida perde o seu sentido, a sua graça e com ela a vontade de viver, mas cuidado porque isso nada tem a ver com viver da "mentira", que é outro departamento.

 

 

Quando todos os nossos ídolos, crenças e as nossas mais gostosas fábulas acabam, nossa vida já está por um fio e se nesse momento a natureza não nos criar fantasias fatalmente deixaremos a nossa existência, talvez por isso muitos de nós ao envelhecermos vamos ficando cada vez mais caduco ou gagá como se dizia antigamente, a viver num mundo de outra realidade. Talvez seja uma forma que a natureza encontrou para deixarmos ainda vivos.

 

 

Essa deve uma das grandes diferenças entre nós seres humanos e o resto das outras espécies, ou seja, precisamos vivenciar a nossa grande mentira, esse é o efeito colateral que nós humanos alcançamos quando aprendemos a pensar, a raciocinar, e foi nessa hora que tivemos de criar a mentira, para continuarmos vivendo. Nós precisamos mentir para nós mesmos, senão não nos suportaremos, enlouquecemos e assim passaremos a simplesmente delirar.

 

 

Muitos acreditam que apenas os outros mentem e isso é uma grande ilusão, pois as maiores mentiras são criadas pela nossa própria mente, quando criamos nossos ídolos, os deuses, as crenças, as paixões e mitos. Sem essa grande mentira, que nos faz tão bem, um jogo de futebol não passa de apenas um montão de imbecis correndo atrás de uma bola, um concerto de grande violinista é apenas um sujeito fazendo barulho e o Papai Noel uma mera propaganda da Coca-Cola.

 

 

Quando nos apaixonamos por uma pessoa, sonhamos com uma nova profissão ou até mesmo quando simplesmente colecionamos selos, estamos na realidade criando mentiras para nós mesmos, fantasias e isso não é ruim assim, aliás, deliciosos, pois é realmente uma coisa bela assim como o responsável pelos maiores prazeres de nossas vidas.

 

 

O que na realidade não é possível de admitimos é a mentira por "mentira", mas sim viver a mentira da fantasia, de desejo e de um sonho. Viver mentindo é talvez seja a coisa mais sensata a fazer, uma coisa inerente ao ser humano, mas viver simplesmente da "mentira" é indecente, é ultrajante, mas afinal qual a diferença entre um e outro. Como descobrirmos a mentira da “mentira” ou pelo menos “as nossas mentiras”, já que a do outro nada podemos fazer, é ele quem tem que se resolver.

 

 

Simplesmente lembrando que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço, ou seja, não podemos ter duas verdades ou mentiras ao mesmo tempo, ocupando o mesmo espaço. Não podemos ser ao mesmo tempo corajoso e covarde, ou somos corajosos ou covardes, não temos escolha, é uma ou outra. Assim sendo para descobrirmos a mentira da “nossa mentira” basta questionarmos qual das duas é a real, pois aquele que acredita somente numa só coisa, nunca estará vivendo de nenhuma “mentira”.

 

 

Veja por exemplo, esses nossos políticos que nós conhecemos tão bem, falam uma coisa, mas praticam outra complemente diferente, ou seja, são puramente “mentirosos”. O mesmo pode se dizer de uma pessoa que acredita numa coisa, mas nos seus atos age de maneira completamente diferente, vivendo assim simplesmente da "mentira", em desacordo com sua consciência que dita uma coisa, mas acaba fazendo outra.

 

 

E é assim que vamos “mentindo” e vivendo o grande caos que é a nossa vida, portanto acredito que já está na hora de repensarmos principalmente “as nossas verdades” a qual fomos submetidos por séculos e séculos através das falsas questões filosóficas, baseadas na hipocrisia e na acomodação do mais fácil, do vantajoso, do melhor pra todos, do politicamente correto.

 

 

Já está na hora de resgatarmos a mentira como uma das nossas grandes virtudes, ao mesmo tempo ficarmos atentos para que, sempre que possível questionarmos sobre “as nossas mentiras”. Ao dormirmos construímos as nossas mentiras que nos faz viver e desta forma todos nós nos transformamos numa grande fraude, numa enorme e deliciosa mentira e quem quiser viver somente da "sua verdade", azar o dele. É mentira Terta?

 

 

Texto - Pesquisa - Criação = Osamu Nakagawa

 


 

Retornar

 


2008 - tvsinopse.kinghost.net - Todos os direitos reservados


 

 



 

tvsinopse.

kinghost.net

 







 

tvsinopse@gmail.com